Ucrânia: Jair Bolsonaro diz que Brasil mantém posição de "neutralidade"

28/02/2022

“Não vamos tomar partido, vamos continuar na neutralidade e ajudar de acordo com as nossas possibilidades a encontrar uma solução. Queremos paz, mas não queremos trazer consequências para aqui”, disse Bolsonaro, lembrando também que o Brasil “depende muito” dos fertilizantes russos.

“Falei mais cedo com o Presidente Putin, mais de duas horas de conversa, conversamos sobre muitas coisas (…) Claro que ele disse algo sobre a Ucrânia, que guardo para mim, sem entrar em detalhes como vocês gostariam”, disse Bolsonaro numa conferência de imprensa no Guarujá, estado de São Paulo.

Na quinta-feira, Bolsonaro desmentiu o vice-presidente, Hamilton Mourão, que tinha dito que “o Brasil não concorda com a invasão do território ucraniano”.

Jair Bolsonaro esteve com Vladimir Putin há duas semanas, durante uma visita à Rússia.

Após a reunião, o chefe de Estado brasileiro garantiu que Putin quer a “paz” e que o Brasil está solidário com qualquer país que procure resolver conflitos pacificamente.

A viagem rendeu críticas a Bolsonaro dos Estados Unidos da América.

A Rússia lançou na quinta-feira de madrugada uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram cerca de 200 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de perto de 370 mil deslocados para a Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a “operação militar especial” na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.


Faixa Atual

Título

Artista