Telefone e redes sociais: A eficaz arma de Zelensky contra os russos

28/02/2022

Um homem normal que ‘brincou aos presidentes’ quando era comediante e hoje é presidente da Ucrânia com uma missão: defender o seu país. Volodymyr Zelensky tornou-se nos últimos tempos um líder de guerra admirado por muitos, mas que armas possui Zelensky no seu arsenal comunicativo? 

O presidente ucraniano é um caso de ficção catapultada para a vida real. Foi na série televisiva ‘Ao Serviço do Povo’ (tradução literal), uma sátira política ucraniana na qual interpretava um professor que se tornou presidente, que ficou conhecido. 

Em 2019, o ator, tal como a sua personagem, tornou-se presidente da Ucrânia. Hoje tem duas armas para travar o avanço russo no seu país: o telefone e as redes sociais. 

A comunicação do presidente ucraniano tornou-se a sua mais-valia e é nisso que Zelensky tem apostado ‘todas as fichas’. 

O telefone

A partir de Kiev, mas com os olhos postos no Ocidente para conseguir ajuda. Numa série de telefonemas, o presidente da Zelensky conseguiu convencer o Ocidente a concordar com um conjunto de sanções contra a Rússia que eram inconcebíveis até há uma semana. 

As chamadas com os aliados e a comunicação eficaz do presidente levaram a que a opinião pública europeia se colocasse, em força, do lado da Ucrânia. 

Só no sábado, a odisseia do presidente passou por conversações com o presidente francês, Emmanuel Macron, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, o primeiro-ministro italiano, Mario Draghi, o presidente da Suíça, Ignazio, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, o presidente turco, Recep Tayyip Erdoğan, o presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, o secretário-geral da ONU, António Guterres, o chanceler alemão, Olaf Scholz, o Pope, o primeiro-ministro tcheco, Petr Fiala, o presidente polonês, Andrzej Duda, e, finalmente, uma chamada virtual com o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson. 

Isto não foi uma situação de um só dia. Na sexta-feira, segundo dia de invasão, o número de telefonemas foi semelhante.

Pedidos de armas e sanções mais duras foram a receita que levou à ação da Europa. Entre chamadas, Zelensky ainda reuniu a frente de batalha, dirigiu o exército e dormiu, não muito possivelmente.

Quem o ouviu em ação diz: “Ele é muito direto, muito apaixonado e muito prático”. Mas as ligações produziram recompensas de ouro para Zelenskiy e ajudaram a virar a maré.

O ritmo a que Zelensky tem conseguido mobilizar todos a seu favor tem surpreendido e, segundo a análise feita pelo The Guardian, o ucraniano pode até não conseguir salvar Ucrânia, mas é certo que está a mudar a Europa. 

As redes sociais

As redes sociais têm sido outra das armas do outrora comediante para comunicar com o seu povo e com o exterior. 

Seja através do Twitter, Facebook, em mensagens de texto ou vídeo, o presidente mostra-se imparável na sua estratégia. 

Após telefonemas com os líderes ocidentais, Zelenskiy não para e usa as redes sociais para persuadir, encorajar, repreender ou elogiar os seus aliados.

Fê-lo, por exemplo, com o presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa. Ontem, após conversar com o chefe de Estado de Portugal, o presidente ucraniano publicou um tweet sobre esta conversa sublinhando “Juntos – mais fortes”. 

A proximidade como estratégia de comunicação

Jelani Cobb, escrito e professor universitário americano, fez uma análise à forma como Zelensky tem comunicado e como se apresenta às pessoas, abordando em específico o vídeo publicado pelo mesmo nas redes sociais. 

“Estou curioso: exatamente o que acha que torna este vídeo de Zelensky uma comunicação política tão eficaz? Tenho minhas teorias, mas estou curioso sobre as suas”, começou por escrever. 

I’m curious: what exactly do you think makes this Zelensky video such effective political communication? I have my theories but I’m curious about yours.

— jelani cobb (@jelani9) February 26, 2022

Logo depois dá conta da sua visão apontando para a estratégia de proximidade usada pelo chefe de Estado ao se filmar como se estivesse a tirar uma selfie e à compostura do mesmo. “Estou, sobretudo, fixado na absoluta compostura e determinação diante de um certo perigo. A simplicidade desta afirmação ‘Estamos aqui’ é perfeita. E é literalmente um vídeo de um homem na rua”, descreve.

Logo depois conclui a sua análise indicando que “as pessoas que apontaram para o facto de ele estar a fazer uma selfie [a forma como o presidente gravou o vídeo] também estão no caminho certo”.

“É o tipo de formato que alguém pode usar para um vídeo na praia ou numa festa. ‘Estamos todos aqui!’, exceto que aqui eles estão a dizer ‘Todos lutaremos até à morte’. Impressionante”, detalha.

Recorde-se que estão hoje a decorrer as negociações entre as delegações da Ucrânia e Rússia, na fronteira entre a Ucrânia e a Bielorrússia.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, apelou aos soldados russos para que deponham as armas, numa mensagem divulgada antes das conversações com Moscovo, em que Kiev exige a retirada das forças russas.

Depois de se ter negado, inicialmente, a encontrar-se com uma comitiva russa em território bielorrusso, o presidente ucraniano acabou por ceder. Apesar disso, confessou não ter esperanças de este encontro possa trazer grandes alterações ao conflito que está a pôr os dois países em guerra.


Opnião dos Leitores

Leave a Reply

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



Faixa Atual

Título

Artista