Rússia condena decisão da UEFA de transferir Supertaça para Atenas

25/01/2023

“A decisão de retirar a Supertaça de Kazan, no âmbito da exclusão dos nossos clubes e seleções de competições internacionais, era esperada e não tem nada a ver com o desporto. [Kazan] Tem uma enorme experiência na realização de torneios internacionais de alto nível, inclusive do ponto de vista da segurança”, disse o organismo, citado pelo jornal ‘Sport-Express’, referindo-se ao facto de Kazan ter sido uma das sedes do Mundial2018 e da Taça das Confederações de 2017, ambos realizados na Rússia.

A reação dos russos surge pouco depois de o organismo que tutela o futebol europeu anunciar a mudança de país e, consequentemente, de palco, após a reunião do comité executivo, em Nyon.

“O Comité Executivo da UEFA decidiu realocar a Supertaça Europeia de 2023 de Kazan para Atenas”, escreveu a UEFA no comunicado divulgado no site oficial sobre as decisões que saíram daquela reunião.

O jogo que irá opor o vencedor da Liga dos Campeões ao vencedor da Liga Europa terá lugar no Estádio Georgios Karaiskakis, reduto do Olympiacos, em 16 de agosto.

A partida estava inicialmente marcada para Kazan, mas, face à guerra na Ucrânia, despoletada pela invasão russa, a UEFA optou por alterar o local em que será disputado o troféu.

As equipas russas tinham sido banidas, desde 28 de fevereiro do ano passado, das competições organizadas pela UEFA e pela FIFA — incluindo o Campeonato da Europa e o Campeonato do Mundo — sendo que o Comité Olímpico Internacional também aconselhou os organismos desportivos a impedirem que a Rússia acolha e organize eventos.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro de 2022 pela Rússia na Ucrânia causou até agora a fuga de mais de 14 milhões de pessoas — 6,5 milhões de deslocados internos e mais de 7,9 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Neste momento, 17,7 milhões de ucranianos precisam de ajuda humanitária e 9,3 milhões necessitam de ajuda alimentar e alojamento.

A invasão russa — justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de “desnazificar” e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia – foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 7.031 civis mortos e 11.327 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.


Opnião dos Leitores

Leave a Reply

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



Faixa Atual

Título

Artista