Putin garante que recrutas e reservistas russos ficam fora do conflito

08/03/2022

“Quero enfatizar o facto de que os soldados que passam pelo recrutamento não participam e não participarão nos combates. Também não haverá recrutamento adicional dos reservistas”, sublinhou o chefe de Estado russo, num discurso televisivo.

Vladimir Putin realçou que “as metas estabelecidas são implementadas apenas por militares profissionais”.

“Tenho certeza de que garantem efetivamente a segurança e a paz para o povo russo”, vincou.

O Pentágono referiu esta segunda-feira que a Rússia está a recrutar combatentes sírios para “aumentar as suas forças na Ucrânia”, confirmando os relatos noticiados no fim de semana pelo Wall Street Journal.

Relatórios dos EUA indicam que a Rússia, que opera dentro da Síria desde 2015, recrutou nos últimos dias combatentes sírios na esperança de que a sua experiência em combates urbanos possa ajudar a tomar Kiev, segundo aquele jornal.

De acordo com uma publicação com sede na cidade síria de Deir Ezzor, a Rússia ofereceu aos voluntários entre 200 a 300 dólares (entre cerca de 180 a 270 euros) “para ir para a Ucrânia operar como guardas armados” durante seis meses e também confirmou que há combatentes chechenos no terreno.

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que, segundo as autoridades de Kiev, já fez mais de 2.000 mortos entre a população civil.

Os ataques provocaram também a fuga de mais de 1,7 milhões de pessoas para os países vizinhos, de acordo com a ONU.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas a Moscovo.


Opnião dos Leitores

Leave a Reply

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



Faixa Atual

Título

Artista