"Farsa e encenação". Opositora bielorrussa começa a ser julgada à revelia

17/01/2023

A Bielorrússia vai começar, esta terça-feira, a julgar à revelia a opositora do regime Svetlana Tijanovskaya por acusações de traição. Em declarações à agência de notícias Reuters, a política, que se encontra exilada na Lituânia, considerou que o julgamento será “uma farsa e uma encenação”.

“Na Bielorrússia não há julgamentos honestos. Vivemos na ausência absoluta de lei no nosso país, pelo que o julgamento de amanhã [hoje, terça-feira] será uma farsa e uma encenação, mas não uma verdadeira justiça”, disse Tijanovskaya, numa entrevista à margem do Fórum Económico de Davos, na Suíça.

A opositora, principal rival do presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, está acusada de traição e tentativa de levar a cabo um golpe de Estado. “Tijanovskaya, enquanto se encontrava no território da República da Lituânia, proclamou-se vencedora das últimas eleições e a única líder nacional eleita pelo povo bielorrusso”, disse a Procuradoria-Geral da República da Bielorrússia. 

A ativista política foi candidata presidencial nas eleições de agosto de 2020, mas Lukashenko, que governa o país desde 1994, proclamou-se vencedor, com 80% dos votos, apesar dos atos fraudulentos denunciados pela oposição.

O país sofreu uma forte onda de protestos após as eleições presidenciais de 2020, que ficaram marcados pela violência policial, segundo várias organizações não-governamentais (ONG), como o uso de gás lacrimogéneo, balas de borracha e outras medidas similares para dispersar os manifestantes.

Leia Também: Opositor de presidente da Bielorrússia detido em Minsk


Faixa Atual

Título

Artista