Estado de emergência em Ischia. Tudo o que se sabe sobre a tragédia

27/11/2022

Prosseguem, agora também com mergulhadores, as buscas pelos 11 desaparecidos depois dos deslizamentos de terra na ilha italiana de Ischia, que causaram pelo menos a morte de uma mulher. Há ainda 13 feridos.

A primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, convocou um Conselho de Ministros extraordinário para a manhã deste domingo para declarar estado de emergência e assim desbloquear fundos para ajudar à reconstrução.

“O Conselho de Ministros, sob proposta do ministro da Proteção Civil, declarou o estado de emergência a que se seguirá o despacho do chefe da Proteção Civil, tendo efetuado uma dotação inicial de 2 milhões de euros”, foi anunciado.   

No início do encontro, Meloni agradeceu aos socorristas e expressou solidariedade com todas as pessoas afetadas pela tragédia, desde os deslocados aos autarcas.

Recorde-se que, no sábado, o vice-presidente do executivo, Matteo Salvini, referiu a existência de oito vítimas mortais, quando falava com jornalistas na abertura de uma extensão do metro em Milão. Mais tarde, o ministro do Interior de Itália avançou que nenhuma morte tinha sido confirmada e o presidente da região de Nápoles, que inclui Ischia, disse que pelo menos 12 pessoas estavam desaparecidas.

Entretanto, pouco tempo depois, o corpo de uma mulher de 31 anos foi recuperado. Eleonora Sirabella, a primeira vítima confirmada da tragédia de Casamicciola, trabalhava como vendedora e ligou ao pai a pedir ajuda quando tomou conhecimento da tragédia iminente. De acordo com o que foi apurado, quando o homem, que mora a uma curta distância, no município de Lacco Ameno, chegou, ficou bloqueado pelo rio de lama.

De acordo com o jornal italiano La Repubblica, o companheiro de Eleonora continua desaparecido.

Entre os 11 desaparecidos estão pelo menos duas famílias com crianças.

O balanço indica ainda que várias pessoas tiveram de ser hospitalizadas, entre as quais um rapaz em estado grave devido a traumatismos graves no tórax.

As imagens que vêm de Ischia, uma ilha vulcânica famosa pelas suas fontes termais, são de devastação e caos, com casas desmoronadas, ruas repletas de pedras e árvores arrancadas, e carros e autocarros que entraram junto à zona da praia.

Cerca de 200 moradores de Casamicciola tiveram de ser retirados das suas casas.

“As pessoas devem entender que, em algumas áreas, não é possível morar, não há necessidade de construção não autorizada. Edifícios em áreas hidrogeologicamente frágeis devem ser demolidos”, defendeu o governador da região da Campânia ao canal italiano Rai News.

A ilha de Ischia é um dos principais destinos turísticos da Itália durante o verão e faz parte do arquipélago napolitano, de origem vulcânica e com declives acentuados, razão pela qual costuma sofrer este tipo de deslizamento de terra. A última tinha sido em 2009.

Leia Também: Um morto e “entre 10 e 12” desaparecidos na ilha italiana de Ischia


Faixa Atual

Título

Artista