Cabeleireiros e esteticistas adaptaram-se mas sentem falta de clientes

03/03/2022

Para Catarina Pola, a pandemia começou com um revés e acabou numa nova aventura.

Catarina tinha abandonado o seu trabalho como esteticista para mudar de vida, mas teve de regressar a Lisboa e, com a pandemia no início, percebeu que era arriscado voltar a ter um espaço físico, quando o setor fechava e abria ao ritmo dos casos de covid-19.

“Então por que não fazer ao domicílio? Hoje em dia as pessoas querem tudo ao domicílio, querem comida ao domicílio… Vamos tentar. Entrei em contacto com algumas clientes anteriores, comecei a fazer, inicialmente de carro, mas andar de carro em plena Lisboa não é fácil. Então decidi comprar uma mota. Nunca tinha andado de mota efetivamente e comecei a fazer. Pus as minhas coisinhas numa mala e vou de casa em casa”, disse.

Doze anos depois de se iniciar na profissão, Catarina pode agora fazer a gestão do seu tempo, já que os serviços que presta “são mais fora de horas”, o que lhe permite ainda terminar a licenciatura em Gestão.

No entanto, ir à casa de estranhos enquanto decorre uma pandemia traz desafios e exige mais respeito pelos receios das clientes.

“Há pessoas que me dão aquelas pantufas de plástico que se usam nos hospitais para se precaver. Há outras que me pedem para me descalçar à porta e sem problema nenhum. Eu faço-o. Respeito bastante. Efetivamente estou a entrar na casa das pessoas, é um estranho”, explicou, salientando que “todos os restantes cuidados” de higiene exigidos pelo próprio serviço se mantêm.

As medidas de combate à pandemia mandaram encerrar os cabeleireiros, barbeiros e centros de estética por duas vezes, o que se tornou insustentável para muitos negócios.

Primeiro encerraram durante um mês e meio e foi “assustador”, com medo e expectativa pelo futuro, e depois mais 59 dias, contados um a um por Piedade Gonçalves, cabeleireira no salão Dadysil, num bairro da Amadora.

“Hoje em dia ninguém tem grandes mealheiros, foi viver o dia-a-dia. Na altura ficámos a família em casa. De três, ficámos os três. Eu, como sócia-gerente, nem sequer tive direito a apoio. Aquele mês deu para aguentar, não aguentaria muito mais tempo”, afirmou à Lusa.

A cabeleireira destacou que teve a compreensão do senhorio e o apoio das clientes que lhe compravam alguns produtos ao postigo, o que “ajudou um bocadinho a colmatar as despesas da casa” numa altura em que foi exigido um grande esforço de adaptação e de investimentos em materiais de segurança, quase sem faturação??????.

“Foram tempos muito complicados e continuam a ser. Não sabemos, não há dois dias iguais. As notícias fizeram-nos andar para trás e para frente várias vezes”, confirmou Ricardo Silva, da barbearia 1500LX, em Benfica, Lisboa.

Ricardo até fechou dois ou três dias antes de ser obrigatório por tudo estar demasiado confuso, na expectativa de “que seria um mês ou dois e depois tudo rumaria ao normal no verão”, o que não aconteceu.

“É imaginar ficar sem fonte de rendimento, que é a minha única fonte de rendimento, é o meu trabalho, é este. E fechei e foram dois meses a faturar zero”, sublinhou o barbeiro, que contou com o apoio “normal” da segurança social, mas se não fosse “o apoio da família e alguma coisa que tinha guardada” não teria resistido.

Ricardo Silva trabalha sozinho e ainda não se recompôs até hoje.

“Quando reabrimos [após o primeiro confinamento] foi muito trabalho durante duas semanas, três no máximo, e depois baixou para níveis nunca vistos. Ou seja, as pessoas vieram todas naquele momento. Estivemos dois meses fechados e era tudo ainda muito novo para as pessoas. Mas depois, daí para cá, nunca mais levantou”, disse.

O negócio na barbearia, considerou, está, em média, a 40% ou 50% do que era, “muito instável”, por culpa de vários fatores, como o desemprego e o teletrabalho.

“Aqui é uma zona onde há muitos estudantes, que alugam quartos, e tivemos um ano em que a faculdade foi ‘online’ e foi uma faixa etária que não veio. Muitos idosos foram para um lar ou faleceram mesmo, tenho aqui uma série de vizinhos que acabaram por falecer, uns logo, outros mais tarde. Pessoas que aproveitaram e têm segundas casas de campo ou familiares, de herança ou praia e que em vez de estar fechados num apartamento optaram – como é lógico – por estar num sítio onde tinham mais liberdade e se sentiam mais seguros. Foi um pouco tudo isso”, referiu, realçando que muitas pessoas ficaram desempregadas e as outras, sem necessidade de tanta interação social, acabam por ir menos vezes ao barbeiro.

A pandemia também mudou as clientes de Piedade Gonçalves, embora muitas delas tenham voltado lentamente: “Houve muita gente que mudou hábitos, como, por exemplo, muita cliente assumiu os seus cabelos brancos. E pronto, do corte há sempre uma necessidade e foram vindo gradualmente. Demorámos para aí uns seis meses até recuperar.”

Neste novo normal, também Piedade Gonçalves adotou uma nova atitude perante os fornecedores e na gestão do negócio e agora investe menos no ‘stock’ de produtos, para “a bola de neve das dívidas” não crescer.

Com o alívio das restrições e o fim da obrigatoriedade do teletrabalho, Ricardo Silva espera que mais clientes voltem e está a manter regras, como trabalhar com marcações, embora isso desvirtue muito o papel social do barbeiro, onde muitos clientes iam para conviver.

Já Catarina defende que, mesmo em tempos conturbados, “as pessoas devem arriscar”.

“A pandemia não foi só coisas más. Também trouxe coisas boas e, se arriscarmos, nós conseguimos fazer aquilo de que gostamos e eu gosto disto”, considerou.

A Organização Mundial de Saúde declarou em 11 de março de 2020 que a covid-19, doença provocada por um coronavírus detetado pela primeira vez no final de 2019 em Wuhan, na China, era uma pandemia. Desde então a doença matou perto de seis milhões de pessoas em todo o mundo, das quais mais de 21 mil em Portugal, onde o primeiro caso foi registado em 02 de março de 2020.


Opnião dos Leitores

Leave a Reply

Seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *



Faixa Atual

Título

Artista