Arcebispo apela ao fim da violência durante missa na capital do Peru

15/01/2023

Durante a celebração, o arcebispo de Lima também pediu para que “detetem os que dão ordens enganadoras, propagadoras da morte”, para “parar a espiral de violência absurda e inédita” no país.

“A esses irmãos que mataram […] dizemos-lhes com o coração estremecido de dor que o sangue não clama por vingança, mas por misericórdia e paz, mudança de comportamentos”, apelou.

Na catedral de Lima, o arcebispo, rodeado de fotografias dos mortos nos protestos, salientou que “há formas pacíficas de resolver as grandes necessidades de cada região pobre do Peru”, e rejeitou as intenções de “liquidar o Estado ao qual se opuseram interesses mesquinhos e egoístas”.

Castillo instou também os presentes a superarem o “mal endémico da ambição desmedida de poder e dinheiro, coberta de ideologias”, defendendo que não se deve “ir para a esquerda, nem para a direita, mas para o fundo das coisas […] onde podem ser aperfeiçoadas”.

O assessor de comunicação do arcebispado de Lima, Juan José Dioses, explicou à agência Efe que a missa foi “um gesto de aproximação e solidariedade” para “honrar a memória” dos mortos nos protestos, que somam quase meia centena desde dezembro.

Os manifestantes têm exigido a renúncia da presidente Dina Boluarte, a dissolução do Congresso, novas eleições para 2023 e a convocatória de uma assembleia constituinte.

As manifestações iniciaram-se em dezembro passado após Boluarte ter assumido a chefia do Estado na sequência da destituição de Pedro Castillo, pelo Congresso, acusado de promover um “auto-golpe” que implicava a dissolução da câmara e novas eleições.

Na sequência dos confrontos e do elevado número de vítimas, várias organizações de defesa dos direitos humanos, incluindo a Amnistia Internacional e o gabinete do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos exortaram as autoridades a terminar com o “uso indevido da força contra a população civil” e assegurar o respeito pelos direitos humanos.

Leia Também: Peru prolonga estado de emergência por mais 30 dias para conter protestos


Faixa Atual

Título

Artista